IVG - mais conhecido por ABORTO

Relativamente ao aborto, a opinião é sempre pessoal e vale o que vale, depende também da religião e educação de que cada indivíduo. No final do artigo, pode encontrar a legislação em vigor, que na minha opinião está muito bem redigida e prevê todas as situações em relação ao motivo pelo qual se pode fazer uma IVG (está na moda usar estas iniciais; INTERRUPÇÂO VOLUNTÀRIA da GRAVIDEZ, se calhar aborto é uma palavra muito forte, assim tem um nome mais bonito, mas eu prefiro aborto), incluindo os prazos, onde alguns foram alterados, posteriormente e muito bem alterados.

Em relação ao referendo, é um desperdício dos nossos fundos. Já houve um referendo e ganhou o NÃO. Não é necessário efectuar outro, porque se a vitória fosse do SIM, os defensores do NÂO também podiam reclamar outro referendo e nunca mais saímos disto. Quanto ao aborto, o meu voto vai ser NÂO. Principalmente, pelo motivo referido no inicio deste artigo. Além disso se o aborto passar a ser legal, corremos o risco de começarem a existir listas de espera. Pelo que as noticias transmitem, são muitas as mulheres que vão a Espanha fazer o aborto, deverão ser mais, porque são aquelas que não têm dinheiro, as que o fazem em Portugal, sem as condições e meios necessários, correndo risco de vida. Quando falo em mulheres, incluo também as adolescentes. As condições precárias dos abortos efectuados em Portugal clandestinamente, é um dos argumentos, utilizados pelos defensores do SIM. Que na minha opinião não é válida. Essas mulheres engravidaram, porquê? Falta de informação, desconhecimento, descuido. Hoje em dia já não são motivos. Não será necessário enumerar as várias maneiras de evitar uma gravidez. A Educação Sexual, já devia fazer parte do ensino em Portugal, à muito tempo, isto para os(as) adolescentes. Embora os Pais tenham o dever e a obrigação de falar abertamente sobre o assunto com os filhos(as). Por outro lado, se as contas da Saúde em Portugal estão no negativo, mais vão ficar com a liberalização. Porque depois o nosso dinheiro vai pagar, os “erros” dos outros. Ou seja aborta-se um “erro” com outro, erro, ainda mais grave. Os “erros” dos(as) adolescentes, os “erros” das facadas no matrimónio, os “erros” daquele amor de Verão, etc,…   

Em minha opinião, como já referi, a lei existente prevê todas as situações possíveis para se poder efectuar um aborto. Agora, cabe a si votar em consciência, felizmente vivemos num País democrático. SIM ou NÂO, vote o que no seu entender achar que é melhor,        

MAS VÀ VOTAR.


Não tem a legislação porque o post, ficaria muito longo.

Decidi não colocar imagens porque são de uma violência indescritível.


Mensagens populares deste blogue

CAMINHADA DO 32º ANIVERSÁRIO ARD VILA CHÃ...

Viveiros Florestais da Portela de Arão. Para quando a sua reabilitação?